Terapia da fala

Quem é? O que faz? Como?

O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, tratamento e estudo científico da comunicação humana e perturbações relacionadas.

Neste contexto a comunicação humana engloba todos os processos associados à compreensão e à produção da linguagem oral e escrita, bem como as formas adequadas de comunicação não verbal.

O campo de acção da Terapia da Fala inclui a prevenção, avaliação, diagnóstico e reabilitação de diversas alterações da comunicação humana, nomeadamente relacionadas com:

- Linguagem
- Articulação
- Fluência
- Voz
- Deglutição / Mastigação
- Leitura e Escrita
A sua prática aplica-se a utentes de qualquer idade, desenvolvendo-se frequentemente em interacção com outros especialistas como Médicos Pediatras, Otorrinolaringologistas, Neurologistas,Psicólogos e outros Terapeutas.

Na sua intervenção com crianças, um dos principais objectivos do TF é ajudar a descobrir o prazer de comunicar e falar. Quando a comunicação se encontra perturbada, o principal objectivo da intervenção é auxiliar as crianças para que as suas dificuldades sejam ultrapassadas, tornando-as, desta forma, comunicadoras mais eficazes.

 
 

Principais áreas de intervenção da Terapia da Fala

Resumidamente, os Terapeutas da Fala ajudam crianças, jovens e adultos nas seguintes situações:

- Perturbações da articulação verbal (e.g. dificuldade em articular um ou mais sons da fala);
- Perturbações da linguagem (e.g. dificuldade em expressar-se quer através da fala quer através de outro meio; dificuldade em compreender mensagens faladas, escritas ou não-verbais);
- Dificuldades durante a alimentação (e.g. alterações na mastigação e deglutição; adequação da sensibilidade oral);
- Difluência (alterações da fluência do discurso);
- Perturbações da Voz (e.g. nódulos vocais, parésia da prega vocal);
- Alteração da estrutura ou função da musculatura orofacial (e.g. parésia facial, questões estéticas);
- Preparação para apresentações públicas orais dirigido a profissionais da voz (e.g. políticos, locutores, professores, etc.)

Linguagem

Linguagem é um sistema convencional de símbolos arbitrários e de regras de combinação dos mesmos, representando ideias que se pretendem transmitir...

Sinais de alerta em crianças

0-6 meses

- Não reage aos sons;
- Não vocaliza;
- Bebé silencioso.

6-12 meses

- Não reage a sons;
- Não emite padrões de entoação;
- Não vocaliza;
- Não faz lalação.

1 aos 2 anos

- Não diz palavras;
- Não reconhece o nome;
- Não conhece as funções dos objectos do dia-a-dia;
- Não usa gestos.

3 aos 4 anos

- Não compreende frases com três palavras;
- Não cumpre ordens;
- Não reconhece a função dos objectos;
- A fala compreensível por todos;
- Não descreve acontecimentos.

4 aos 5 anos

- Não constrói frases;
- Não reproduz histórias ou acontecimentos
- Não obedece a ordens;
- Dificuldades em identificar rimas e aliterações.

5 aos 6 anos

- Dificuldades em construir frases correctas;
- Discurso incoerente;
- Dificuldades em identificar erros gramaticais;

Sinais de alerta em adultos

- Dificuldade em perceber o que lhe está a ser dito;
- Dificuldade em nomear e identificar objectos/imagens;
- Dificuldade em ler palavras, frases e/ou textos;
- Dificuldade em escrever o nome próprio, outras palavras, frases e/ou textos.
- Dificuldade em comunicar através da fala, da escrita e/ou do gesto;
- Lentidão na fala;
- Alterações articulatórias;
- Voz nasalada.

Articulação

A articulação verbal é a produção dos sons (vogais e consoantes) através de um conjunto de movimentos coordenados dos órgãos fonoarticulatórios (língua, lábios e mandíbula, entre outros).

Sinais de alerta em crianças

Aos três anos e meio, não produz a última sílaba das palavras, como “ga” em vez de “gato”;
Aos 4 anos a fala é pouco perceptível: omite ou troca sons em palavras, omite partes de palavras;
Aos 5 anos ainda não articula alguma som ou troca a sua posição (gafo ou grafo em vez de garfo) ou distorce os sons da fala.

Fluência

A fluência é a facilidade de encadear os sons, sílabas ou palavras da linguagem oral.

Sinais de alerta!

• Repetições de sons e sílabas;
• Prolongamentos de sons;
• Interjeições;
• Palavras partidas (por ex., pausas dentro de uma palavra);
• Bloqueio audível ou silencioso (por ex., pausas preenchidas ou não preenchidas na fala);
• Circunlocuções (substituições de palavras para evitar as que são problemáticas);
• Palavras produzidas com excesso de tensão física visível;
• Repetições de palavras monossilábicas completas (por ex., "Eu-eu-eu vou").

Deglutição

A deglutição pode ser definida como acto de engolir. Um processo que deve satisfazer os requisitos nutricionais através de mecanismos fisiológicos capazes de obter o alimento, ingeri-los e assimilá-los.
Os músculos faciais, linguais, mastigatórios, faríngeos, esofágicos e respiratórios participam na deglutição. Distúrbios neurológicos que prejudicam a contracção coordenada de qualquer desses músculos podem causar problemas de deglutição (disfagia) e posteriormente, obstrução das vias aéreas, pneumonia por aspiração.

Sinais de alerta de Disfagia

Se algumas das situações descritas ocorrer com frequência deverá consultar um Terapeuta da Fala ou um médico otorrinolaringologista

• Engasgamentos frequentes com a comida ou saliva;
• Dor ao engolir;
• Alimentação muito lenta;
• Restos de alimentos na boca após a
s refeições;
• Perda súbita de peso;
• Preferência por alimentos pastosos;
• Recusa de alimento;
• Pneumonias repetidas num curto espaço de tempo;
• Voz alterada após a deglutição;
• Regurgitação nasal (saída de alimento pelo nariz);
• Alterações de sensibilidade na língua, lábios e bochechas;
• Queda de alimento líquido ou sólido pela boca;
• Dificuldade em mastigar e no controlo de alimentos/bebidas na boca;
• Dificuldade em iniciar a deglutição.

Deve-se estar mais atento a estes sinais em pessoas que sofram de alguma doença neurológica, após cirurgias ao pescoço e em pessoas de idade.

Voz

A voz é o som produzido pelo Homem que o identifica quanto à sua idade, sexo, tipo físico, raça, origem, nível sócio-cultural, características de personalidade e estado emocional.

Sinais de Alerta da Voz!

• Rouquidão;
• Perda da voz;
• Pigarro constante;
• Dor para engolir;
• Sensação de engasgos;
• Dor ou ardência na garganta;
• Tosse frequente;
• Dificuldade para respirar;
• Sensação de corpo estranho na garganta;
• Cansaço vocal;
• Esforço a falar;
• Sensação de garganta seca, áspera ou arranhada.

Sinais de alerta em crianças!

• A criança tem uma voz rouca?
• Tem que se esforçar para falar?
• Utiliza os gritos como forma de comunicação habitual?
• A criança queixa-se de dores de garganta (que no fundo pode ser a garganta seca e áspera)?
• Já foi “gozada” (pelos irmãos ou na escola) pela maneira como fala?

Leitura e Escrita

Ler é o processo que permite descodificar sinais gráficos, de forma a extrair informação desse material. Escrever é traduzir uma mensagem oral em sinais gráficos com significado.

Sinais de Alerta em idade pré-escolar!

• Presença de história familiar com atraso de desenvolvimento da linguagem ou dificuldade na aquisição da leitura e escrita;
• Atraso na fala em relação às outras crianças;
• Produção de frases curtas, com palavras mal pronunciadas, com omissões e substituições de sílabas e fonemas e pouco vocabulário;
• Dificuldades de compreensão;
• Confusão entre palavras semelhantes;
• Dificuldade em recordar nomes de cores, as formas, os dias de semana, etc;
• Dificuldade na aquisição de conceitos temporais e espaciais básicos (ontem/amanha, direita/esquerda, antes/depois, …);
• Dificuldade em aprender canções e lengalengas;
• Não saber as letras do seu nome;
• Dificuldade em aprender e recordar os nomes e os sons das letras;
• Dificuldade nas sequencias e aprender a rima;
• Agitação e distracção frequente;
• Dificuldade em seguir ordens e rotinas.

Sinais de alerta em idade escolar nos primeiros anos de escolaridade (durante o 1º ciclo):

• Dificuldade em aprender as relações entre os sons e as letras
• Dificuldade em ler monossílabos e segmentar palavras simples
• Maior facilidade em aprender algo que é explicado oralmente do que através da leitura e escrita
• Expressão verbal pobre e dificuldade em aprender palavras novas
• Tendência para escrever os números em espelho (com direcção e orientação inadequada)
• Dificuldade em aprender o alfabeto e tabelas de multiplicar
• Erros ortográficos frequentes nas palavras com correspondências grafo-fonémicas irregulares
• Dificuldade em reter sequências (dias da semana, meses do ano, …)
• Recusa ou insistência em adiar tarefas de leitura e escrita
• Falta de atenção/concentração
• Frustração e baixa auto-estima, que pode levar ao inicio de problemas de comportamento

Entre os 9 e os 12 anos:

• Erros persistentes de leitura (embora melhore ao longo dos anos, continua a ser uma leitura lenta e com esforço)
• Dificuldade na leitura e interpretação de problemas matemáticos
• Dificuldade na compreensão de material escrito
• Desagrado e tensão durante a leitura em voz alta, fazendo uma leitura silabada e sem fluência
• Escrita com omissão de letras e/ou alteração de ordem das mesmas
• Erros na cópia
• Dificuldade na compreensão da linguagem oral e escrita
• Dificuldade em seguir instruções
• Embaraço e desconforto quando tem de ler algo oralmente, com tendência para evitar essas situações

Depois dos 12 anos:

• Tendência para realizar uma escrita descuidada, desordenada e por vezes incompreensível
• Dificuldades na gramática e erros ortográficos, por vezes, com permanência de omissões, alterações e adição da frase anterior
• Dificuldade em organizar uma composição
• Vocabulário compreensivo superior ao vocabulário expressivo
• Tendência para confundir instruções verbais e números de telefone
• Grande dificuldade na aprendizagem de línguas estrangeiras
• Aversão à leitura e escrita
• Aparecimento de problemas comportamentais (poderão existir anteriormente, mas têm maior evidência nesta altura)
Marcações